sábado, 29 de maio de 2010

Boletim Movimento Unificado dos servidores Municipais - dia 26 de maio de 2010 – quarta-feira

Mais um dia de ÁRDUA LUTA dos servidores públicos em defesa de direitos mínimos de qualquer trabalhador como reajuste salarial, condições de trabalho e qualidade dos serviços prestados.
Nunca imaginamos que num Governo do Partido dos Trabalhadores tivéssemos que lutar tanto para conseguir dialogar e garantir direitos.

A Educação ás 10h dá início sua assembléia que após ampla discussão decidiu pela continuidade da greve por considerar que o Governo não quis dialogar, em seguida fizeram um enorme passeata pela Avenida, esclarecendo a população os motivos da luta e chamando o Governo a sua responsabilidade, Na passeata flores foram distribuído à população em agradecimento ao apoio que cresce a cada dia, apesar de ser a maior prejudicada.
O grupo permaneceu em vigília (até ás 20 h) em frente à Secretaria de Educação na tentativa de dialogar com a secretaria, que não os recebeu. São 13 dias de greve, são 13 sem aula, sem merenda,... e os poucos fura greve perguntamos como fica a qualidade do ensino neste processo , ou a única preocupação é com estatística ?
Reafirmamos que o único responsável é o Prefeito que tem o poder de dar fim a este impasse, no entanto preferiu recorrer à justiça para “negociar” apenas com o SISEP, sindicato cartorial que existe para se beneficiar do imposto sindical, não para defender os trabalhadores que representa. (a última vitória do SISEP foi de reajuste 0 %).
O governo desconsidera a representatividade que milhares de servidores públicos todos os dias colocando a cara na rua, apesar das ameaças, da opressão e do descaso.
ASSEMBLÈIA da Educação: nesta quinta dia 27 de maio às 10 h
Educação - Na Praça do Bosque atrás do CENIP

Hoje o movimento teve um reforço importante recebeu a adesão dos profissionais da SAÚDE que após esperar em vão resposta do Governo as suas justas reivindicações foram obrigados também entrar em greve, lamentando usar seu último recurso – GREVE - por entender que o único prejudicado com o fechamento dos serviços é a população, mas que esclarece que o Governo não deixou outra alternativa.
Às 14 horas começou a concentração em frente à Secretaria de Saúde (Rua Piabanha) profissionais da saúde (enfermeiros, sanitaristas, motoristas, pessoal de manutenção, médicos, assistentes sociais, dentistas, pessoal de copa, limpeza, administração, psicólogos.... – TODOS essenciais para o funcionamento do serviço) trabalhadores que cuidam da saúde deste povo apesar das péssimas condições de trabalho.
A primeira providência do comando do Movimento foi tentar um diálogo com a Secretária, que se encontrava na casa, mas que infelizmente não se dispôs a conversar.
Então ali mesmo na rua iniciamos um ato, e para a abertura os profissionais cantaram o Hino Nacional, pois entendemos que lutar por dignidade é um ato cidadão e cívico.
Em seguida mais de 600 profissionais da Saúde votaram por unanimidade pela continuidade da greve.
E debaixo de uma chuva torrencial realizamos uma passeata (foi incrível a demonstração de disposição da SAÚDE), esclarecendo a população os motivos da luta e reafirmando que o único responsável pela falta de serviço de saúde é do prefeito que insiste em não abrir diálogo e negociação.
Foi emocionante, apesar de ser o maior prejudicado, as manifestações de apoio da população.
Na frente do Palácio Koeler, a passeata parou e clamou ao “ prefeito da saúde” que resolvesse o impasse. Mais uma vez não respondeu.
A luta vai continuar e nesta quinta feira às 10 horas na Praça da Inconfidência os trabalhadores da saúde irão realizar uma nova assembléia, onde irá avaliar a luta, votar as diretrizes e se organizar para ampliação da luta.
Mantemos firme a esperança de não precisarmos ficar mais dias em greve dependemos apenas de proposta e negociação do Prefeito com a comissão representante do movimento escolhida em assembléia para negociação.

O Movimento Unificado dos Servidores Públicos entrou com um pedido no Ministério público do Trabalho de ilegitimidade do SISEP em representá-lo devido à omissão deste sindicato em defesa dos servidores públicos, e solicitando que seja reconhecido O MUSP (Movimento Unificado dos Servidores Públicos) o represente.
Esperamos que a justiça diga ao Prefeito o que sua cegueira não quer enxergar - que o que representa o trabalhadores é o grito de centenas e milhares de servidores que diariamente vem a rua.
A luta continua outros setores apontam sua entrada no movimento, estão se organizando para se necessário fazermos uma GREVE GERAL dos servidores.
Enquanto isso reforçamos que será o povo na rua que demonstrará a esse governo como deve governar e a que interesse deve defender
Por respeito aos servidores públicos, por atendimento as sua reivindicações, por condições de trabalho, por serviços públicos de qualidade, por transparência nas verbas e políticas públicas.

ASSEMBLÈIAS: nesta quinta dia 27 de maio às 10 h
Educação - Na Praça do Bosque atrás do CENIP
Saúde - Na Praça da Inconfidência na frente da Igreja (próximo antiga rodoviária)


Reafirmamos que a comunidade pode ajudar:
- Assinando o abaixo-assinado que está disponível na praça D. Pedro- Centro e nos Bairros c/ A.M.
- Enviando E-mail ao prefeito E-mail: gap@petropolis.rj.gov.br
Secretaria E-mail: ssa@petropolis.rj.gov.br e telefonando para prefeito tel 2246-9320 pedindo negocie e apresente propostas concretas para os servidores municipais em luta.

MOVIMENTO UNIFICADO dos SERVIDORES PÚBLICOS

Um comentário:

  1. Leia artigo sobre os 20 anos de movimento sindical no serviço público municipal do Estado do Ceará e suas conseqüências no campo político, econômico, social e sindical. Presente, passado e futuro. Leia, comente e divulgue. Acessar em: www.valdecyalves.blogspot.com

    ResponderExcluir